Silêncio! Saia desse homem

Ilustração tirada do manuscrito "Très Riches Heures du Duc de Berry" (1500)
Ilustração tirada do manuscrito “Très Riches Heures du Duc de Berry” (1500)

«Então um homem que estava na sinagoga, possuído por um espírito imundo, começou a gritar:” O que tem a ver conosco, Jesus de Nazaré? Você veio nos arruinar! Eu sei quem você é: o santo de Deus “. E Jesus o repreendeu: “Silêncio! Saia desse homem”» (Mk 1,23)

Esta passagem do Evangelho nos faz refletir. Quem é esse espírito impuro introduzido neste homem? Como ele fala através dele?
Para compreendê-lo, devemos voltar a dois mil anos atrás, quando um espírito impuro poderia ser traduzido como um fôlego impuro. Um anseio que poderia inspirar você a dizer palavras e a tomar ações que não estão corretas.
Hoje, como então, quantas vezes, tiradas dos delirios, das palavras tristes, pronunciamos palavras em que depois de não nos reconhecermos e estamos convencidos de que eles nem sequer pensaram? Ou percebemos o que dissemos há muito tempo depois de ter expressado. Com que frequência fazemos as coisas automaticamente, sem pensar nisso, sem perceber as conseqüências sobre os outros e as feridas que causamos?

Claro, isso acontece quando perdemos contato com nós mesmos quando desconectados. Para nos reconectar com a gente, a primeira pergunta a fazer é: “Quem sou eu?”. “O que eu quero e o que eu não quero mais ser?” A observação amorosa de si mesmo é essencial para fazer essa distinção e nos ajudar a crescer. Então, podemos silenciar a parte que nos convém, mas a partir da qual queremos nos distanciar porque contamina a essência da nossa alma.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *